Skip to content

Estremoz, cepas num mar de vinhas

Joao Paulo Martins

“Quem hoje se desloca a esta vila alentejana depara-se com uma enorme extensão de vinhedos, vinhas modernas e bem implantadas e que dão razão de ser à frase “é um mar de vinhas“. O que nem todos podem ter noção é que esta presença de muitas vinhas em Estremoz não é coisa de agora nem é consequência da recente descoberta do potencial da zona para a produção vitícola. De facto, desde o séc. XIX que são muitas as referências a Estremoz como zona onde as vinhas se consociavam com as oliveiras, num xadrez bem pensado e melhor executado. A presença destas duas culturas num mesmo terreno era prática antiga, hoje apenas autorizada para vinhas velhas. A zona de Estremoz beneficia de um micro-clima seque em muito ajuda à produção das uvas: mesmo no Verão as noites são frescas, há uma grande amplitude térmica dia/noite e isso é excelente para a maturação das uvas. Borba, terra vizinha, era, no séc. XIX, mais famosa que Estremoz pelos vinhos que produzia mas era de Estremoz que saía um dos mais famosos tintos do Alentejo, o Quinta do Carmo. A marca pertence hoje à Bacalhôa mas a quinta, pertença de Júlio Bastos, continua a produzir, agora com o nome de Dona Maria. Nestas vinhas, sempre vigiadas pelo castelo que se ergue imponente, encontramos alguns dos mais conhecidos produtores do Alentejo, como João Portugal Ramos, Quinta do Mouro, Adega do Monte Branco e Encostas de Estremoz. Era também aqui que se produzia um dos poucos Alicante Bouschet que estavam disponíveis no Alentejo até finais do anos 80 do século passado, precisamente na Quinta do Carmo. Hoje é uma das mais utilizadas castas nos blends mais característicos da região alentejana. Com Syrah, com Touriga Nacional, com Trincadeira e com Aragonez, a Alicante Bouschet é hoje uma referência obrigatória do Alentejo. E não só de Estremoz. Howard‘s Folly é um projecto vínico que está sediado em Estremoz e que junta a vontade do seu proprietário – Howard Bilton – com a expertise de David Baverstock que é, há muitos anos, chefe de enologia no Esporão. Na restante equipa cabem portugueses e ingleses, numa equipa jovem e cosmopolita. Howard Bilton é chairman da Sovereign Group, patrocinadora da Sovereign Art Foundation. O leque de vinhos é já bastante alargado e cobre várias regiões.“

Outros artigos de opinião