Skip to content

A Madeira, além do licoroso

Joao Paulo Martins

“Quando os portugueses chegaram à Madeira, o plantio da vinha estava longe de ser a primeira prioridade. Tradicionalmente deficitário em cereais, Portugal procurou aqui colmatar essa falha e o primeiro ciclo económico da ilha foi por isso dedicado ao trigo. Não resultou por razões de solo e clima. Depois os novos povoadores introduziram a cana de açúcar mas a grande concorrência das Antilhas e de toda a região da América Central veio tornar cada vez mais onerosa a produção de cana. Ainda hoje se produz mas agora visando sobretudo a produção de rum agrícola, o novo nome dado à aguardente de cana de açúcar. O plantio da vinha surgiu como alternativa e foi sobretudo na produção de vinho licoroso que a ilha ganhou fama. Para lá foram levadas castas quer do continente quer de Creta e durante pelo menos dois séculos, o Vinho da Madeira foi sempre conotado com um vinho de teor alcoólico semelhante ao Porto, rondando os 20 graus. Foi há poucos anos que alguns produtores se lançaram a fazer vinhos de consumo, nalguns casos usando as mesmas castas – caso da Tinta Negra ou da Verdelho – noutros introduzindo aqui castas brancas como a Arnsburger ou mesmo castas tintas internacionais como Merlot ou Cabernet Sauvignon. A casta Verdelho parece ser a que dá melhores resultados e são vários os produtores que aderiram a esta moda do Verdelho seco, com variantes enológicas como a fermentação em inox ou em barrica. A área de vinha é que não parece “chegar para as encomendas” e as clássicas castas nobres da ilha estão a perder terreno para a Tinta Negra, com a honrosa excepção da Verdelho. De produção local há brancos, rosés e tintos, há espumantes e há um grande desejo de diversificar, sobretudo numa época em que os vinhos licorosos conhecem dias difíceis. Muita atenção aos rosés, uma categoria que poderá ter um grande futuro na ilha.”

Outros artigos de opinião